Segunda, 15 de outubro de 2018
(92) 99183-2565
Cidades

08/08/2018 ás 13h46

231

Jéssyca Lorena

Manaus / AM

Diretor afirma não ter visto venda de catuaba a alunos em escola, diz Conselho Tutelar
Alunos ouvidos pelos conselheiros, no entanto, afirmam que o gestor viu a ação na Escola Estadual Josué Cláudio de Souza
Diretor afirma não ter visto venda de catuaba a alunos em escola, diz Conselho Tutelar
Antonio Lima

O Conselho Tutelar da Zona Leste 1 enviará um relatório à Promotoria de Infância e Juventude do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) sobre o caso envolvendo a venda de bebidas alcoólicas a menores de idade durante uma festa na Escola Estadual GM 3 Josué Cláudio de Souza, no bairro Coroado, Zona Leste de Manaus, na última sexta-feira (3). 


Segundo a conselheira responsável pelo caso, Iolene Oliveira, o documento deverá ser entregue até esta quinta-feira (9). “Os menores relataram que estavam comprando a bebida com a secretária da escola”, contou. A idade dos adolescentes varia entre 15 e 17 anos. “Os que beberam lá na escola foram vários, mas os que tiveram o coma alcoólico foram dois e os que ficaram desacordados foram uns quatro”, detalhou.


O diretor afastado da escola foi ouvido no conselho. Para os conselheiros, Antonio Carlos Dias disse que colocou duas pessoas de confiança no local para administrar a festa e que não viu os alunos ingerirem as bebidas alcoólicas. Já os adolescentes, por sua vez, disseram que o administrador viu tudo e que, inclusive, estava sentado próximo a eles.


Procurado pela reportagem nessa terça-feira (7), o gestor da escola não quis comentar o caso. 


Iolene disse que, em depoimento, os responsáveis pelos adolescentes contaram que os filhos pediram autorização para ir ao bingo e que nunca imaginaram que iriam vender bebidas alcoólicas aos seus filhos dentro da escola. A mãe de um deles relatou que pediu ao filho para voltar às 21h, mas o adolescente não atendeu ao pedido.


Conforme a conselheira, os dois adolescentes que desmaiaram passam bem. A menina foi levada ao Serviço de Pronto-Atendimento de Saúde (SPA) do bairro e o menino foi levado por colegas à casa de outro amigo e foi socorrido lá. Os menores disseram que não se lembraram de nada após ingerirem a catuaba vendida dentro da escola. 


Vender bebidas a crianças e adolescentes é crime. O texto da lei 13.106/15 é claro ao citar que é “proibido vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar a menores bebida alcoólica ou outros produtos que possam causar dependência”.  O responsável pela venda na escola, em caso de condenação, pode pagar uma multa que varia entre R$ 3 mil a R$ 10 mil além da detenção de dois a quatro anos.


A Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) abriu um procedimento administrativo disciplinar (PAD) para investigar o caso e afastou o diretor da escola preventivamente. A pasta reiterou, em nota, que a venda de bebidas alcoólicas em escolas é proibida, mesmo durante atividades culturais.


Bar improvisado


Na noite da última sexta-feira (3), vários adolescentes passaram mal após consumirem bebidas alcoólicas durante um festival folclórico dentro da Escola Estadual GM 3 Josué Cláudio de Souza. Um bar improvisado estava vendendo catuaba aos menores de 18 anos, conforme denúncias.


A auxiliar de serviços gerais Shirneila Palheta Freitas, 44, presenciou o fato. Ela contou que entre 23h e 23h30, quando estava saindo do arraial, se deparou com um adolescente bêbado vomitando dentro do banheiro da escola, outros jogados na frente da unidade de ensino e nenhum responsável ou funcionário os ajudaram. Ela pediu a ajuda de policiais para socorrer os jovens.

FONTE: A Crítica

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados