Publicidade

Réus são ouvidos e caso Bruno e Dom está 90% concluído, diz delegado

A audiência abre a fase processual, que vai decidir se os acusados vão a júri popular ou não.

09/05/2023 às 10h14
Por: Portal Holofote Fonte: Amazonas Atual
Compartilhe:
Colômbia foi denunciado como mandante do crime (Foto: Divulgação)
Colômbia foi denunciado como mandante do crime (Foto: Divulgação)

Os três réus acusados pelo assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips deram depoimentos online para a Justiça Federal de Tabatinga (AM), nesta segunda-feira (8). A audiência abre a fase processual, que vai decidir se os acusados vão a júri popular ou não.

O interrogatório de Amarildo Oliveira (conhecido como Pelado), Oseney de Oliveira (o Dos Santos) e Jefferson da Silva Lima (o Pelado da Dinha) durou cerca de 3h30 e terminou por volta das 18h45.

Os três foram denunciados pelo Ministério Público Federal sob suspeita de duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver. O crime aconteceu em 5 de junho de 2022 e os três acusados foram presos dois meses depois.

De acordo com o TRF-1, o interrogatório, que iria começar na parte da manhã, precisou ser adiado para às 14h pelo juiz do caso, Fabiano Verli. A assessoria do tribunal afirmou que a remarcação ocorreu após a equipe de defesa dos réus contestar o sistema de monitoramento dos presídios federais.

Segundo a advogada Goreth Campos, uma das representantes dos acusados, o sistema de monitoramento das penitenciárias federais de Campo Grande (MS) e Catanduvas (PR) infringia o direito à entrevista prévia reservada entre cliente e defesa.

Procuradas, as assessorias dos dois presídios preferiram não entrar em detalhes. A Secretaria Nacional de Políticas Penais disse que o monitoramento feito nos dois locais está dentro das regras para unidades de segurança máxima.

A audiência desta tarde ocorreu após o magistrado remarcar a data pela quarta vez. Em nota, o TRF-1 atribuiu as remarcações à problemas de internet.

Também em nota, um dos advogados da família do jornalista Dom Phillips, Rafael Fagundes, disse que a assistência de acusação está satisfeita com o encerramento da etapa de instrução processual e convicta da materialidade das provas de duplo homicídio contra os réus. Os representantes da família de Bruno endossaram o posicionamento.

“Certamente resultará em uma sentença de pronúncia e na realização do julgamento dos acusados perante o Tribunal do Júri”, diz o comunicado enviado por Fagundes.

Amarildo voltou a confirmar que participou do assassinato. A defesa tenta provar que Oseney de Oliveira não tem participação no caso. A Polícia Federal trabalha com a tese de que o assassinato foi encomendado.

Segundo o ex-superintendente da PF Eduardo Fontes, que esteve no cargo durante a maior parte das investigações, o caso está 90% concluído e há “indícios veementes” de que Ruben Dario da Silva Villar, o Colômbia, é o mandante dos crimes.

Villar é suspeito de liderar uma organização criminosa de pesca ilegal na região da Terra Indígena Vale do Javari, na fronteira do Brasil com Peru e Colômbia.

Segundo a PF, esse grupo tem ligação com Amarildo Oliveira.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
20h00 Nascer do sol
20h00 Pôr do sol
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Sex ° °
Sáb ° °
Atualizado às 20h00
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,10 +0,01%
Euro
R$ 5,54 +0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,77%
Bitcoin
R$ 385,696,91 +2,93%
Ibovespa
127,750,92 pts -0.31%
Publicidade