°C °C
Publicidade

Filha de Joelma é condenada a pagar quase R$1 milhão por calote de imóvel em condomínio de luxo onde a mãe morou

Segundo a sentença, a cantora comprou o imóvel por R$ 3,7 milhões, mas na hora de assinar o contrato, pediu para colocar o nome da filha.

19/01/2023 às 12h45
Por: Portal Holofote Fonte: Am Post
Compartilhe:
Reprodução
Reprodução

Natália Sarraff, 32, filha da cantora Joelma, 48, foi condenada pela Justiça de Goiás a pagar uma dívida de R$ 820 mil, em valores atualizados, de um imóvel no condomínio de luxo Aldeia do Vale, em Goiânia, a mãe comprou e morou. Não cabe mais recurso da sentença porque o processo transitou em julgado no Tribunal de Justiça de Goiás.

Segundo a sentença da juíza Patrícia Dias Bretas, de agosto de 2022, a cantora comprou o imóvel por R$ 3,7 milhões, mas na hora de assinar o contrato, pediu para colocar o nome da filha.

No andamento do processo, o juiz Danilo Farias Cordeiro mandou a filha da cantora cumprir a sentença dada anteriormente e pagar as dívidas, o que não foi feito até hoje, segundo o advogado do proprietário da residência.

Foi pedido então, em 6 de dezembro do ano passado, o bloqueio das contas de Natalia Sarraff e penhora do valor para que a dívida seja quitada. Falta ainda análise e decisão da juíza sobre o pedido.

Joelma negociou o pagamento do sinal em R$ 110 mil, divididos em 11 parcelas, mas a cantora pagou apenas parte dele. O valor restante, de R$ 3,6 milhões, deveria ser quitado um ano depois, em abril de 2020. No entanto, com a falta de pagamento da entrada, o contrato foi anulado na Justiça.

Após a compra, a cantora se mudou para a residência em abril de 2019 e morou até dezembro. Nesse período de nove meses, a artista não pagou o IPTU, contas de água e luz e a taxa de condomínio.

Segundo o processo, a cantora pagou, ao total, R$ 87 mil de custos e reparos de danos causados no imóvel durante a moradia. O advogado do proprietário do imóvel disse que o jardim foi completamente danificado, além de outras partes no interior.

No processo, o advogado de defesa da filha da cantora alegou que os pagamentos não foram feitos por causa da pandemia de Covid-19. Mas, a juíza entendeu que esse argumento não foi válido por que o contrato foi assinado antes do estado de calamidade pública decretada pela Presidência em março de 2020.

“Como se vê, o contrato foi celebrado, muito antes da decretação de estado de calamidade pública. Dessa forma, até a decretação do estado de calamidade pública, a compradora, que já estava ciente da obrigação do pagamento do restante do valor, teve o período de quase um ano para se programar”, escreveu a magistrada.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade
% (mm) Chance de chuva
20h00 Nascer do sol
20h00 Pôr do sol
Seg ° °
Ter ° °
Qua ° °
Qui ° °
Sex ° °
Atualizado às 20h00
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,11 -0,06%
Euro
R$ 5,55 -0,04%
Peso Argentino
R$ 0,03 +0,12%
Bitcoin
R$ 128,660,58 +2,56%
Ibovespa
112,316,16 pts -1.63%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade