Domingo, 09 de Maio de 2021 04:13
(92) 99183-2565
Política CPI da Covid

Mandetta diz que Bolsonaro tinha suas próprias ideias sobre a covid

Ex-ministro da Saúde, demitido em abril de 2020, afirmou na CPI da Covid que presidente discordava das decisões de sua pasta

04/05/2021 12h58
112
Por: Fernanda Souza Fonte: R7
Reprodução
Reprodução

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid ouve nesta terça-feira (4) o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, demitido em abril de 2020 por se contrapor ao presidente Jair Bolsonaro na forma de lidar com a pandemia do novo coronavírus. 

Mandetta iniciou sua fala, com quase uma hora de atraso, explicando como chegaram ao ministério as primeiras informações, em janeiro de 2020, sobre uma doença que tinha início na China e que aos poucos ia se alastrando pelo mundo. Ele contou que chamou todos os poderes para explicar a importância do combate à pandemia de forma unida. "Porque esse vírus não ataca indivíduos, ele ataca a sociedade."

O ex-ministro explicou ainda as primeiras ações da pasta para conter a propagação do vírus no Brasil e teve de ser interrompido, após 20 minutos, pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que preferiu abrir espaço para as perguntas.

Renan Calheiros, relator da CPI, perguntou a Mandetta se, durante sua gestão, a recomendação para procurar os sistemas de saúde apenas quando sentissem sintomas graves de covid foi um erro. 

Mandetta afirmou que não é verdade essa recomendação, e que afirmação é usada numa "guerra de narrativas". Segundo ele, as pessoas procuravam os hospitais preocupadas com outras doenças. "Eram casos de outros vírus. Em casos de virose, a recomendação é que você observe o estado de saúde e não vá imediatamente ao hospital porque aglomera. E lá, sim, um caso positivo vai infectar todo mundo na sala de espera."

"Todas as nossas recomendações foram assertivas, levando em conta a ciência. Todas foram comprovadas pelo decorrer da doença."

De acordo com Mandetta, o decorrer da pandemia mostrou que algumas ações do ministério foram paralisadas. Mais tarde ele disse que as testagens em massa foram abandonadas por seus sucessores na Saúde, o desenvolvimento da telemedicina como porta de entrada para o sistema, o plano de acompanhamento dos infectados e a orientação de uma pesquisa sobre a cloroquina que "o próximo ministro fez uma portaria mesmo sem ter os resultados".

Ele citou que sua gestão estimulou o uso de máscaras e o distanciamento, assim como pediu para as pessoas ficarem em casa. Mandetta citou ainda o esforço para obter respiradores e leitos de UTI para evitarem o colapso do sistema de Saúde.

Renan cobrou o ex-ministro perguntando por qual motivo não foi iniciada uma política de testagem em massa da população. Ele disse que a chegada dos produtos ocorreu apenas na gestão de seu sucessor, Nelson Teich. 

Mandetta elogiou o SUS (Sistema Único de Saúde) e disse que ele é o melhor local para se imunizar a população. "Mas é preciso ter a vacina."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Manaus - AM
Atualizado às 04h53 - Fonte: Climatempo
23°
Chuva fraca

Mín. 23° Máx. 28°

23° Sensação
7 km/h Vento
100% Umidade do ar
90% (20mm) Chance de chuva
Amanhã (10/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva
Terça (11/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.