Domingo, 09 de Maio de 2021 03:57
(92) 99183-2565
Brasil Caso Henry

Vômitos e medo constante passaram a ser rotina de Henry, disse Monique à prima

Em troca de mensagens, mãe de Henry Borel relata como filho estava abalado psicologicamente, mas omite agressões

12/04/2021 10h34 Atualizada há 4 semanas
403
Por: Fernanda Souza Fonte: O Dia
Reprodução
Reprodução

Mensagens trocadas entre Monique Medeiros, mãe de Henry Borel, com sua prima, pediatra, mostram o quanto Henry Borel, 4, estava sofrendo nas mãos do casal. Vômitos e medo constante passaram a fazer parte da rotina da criança. No entanto, Monique omite, mais uma vez, as agressões praticadas ao menino por Jairo Souza, o vereador Jairinho.

Seis dias após a babá relatar que Henry estava mancando, e de ter dito que os ferimentos foram causados por agressões do padrasto, Monique envia uma mensagem à prima. As informações foram veiculadas nesta segunda-feira, pelo jornal Extra, e confirmadas pelo DIA, que teve acesso às mensagens originais.

Às 16h53 do dia 18 de fevereiro, Monique escreveu para a pediatra: "Henry está com medo excessivo de tudo, tem um medo intenso de perder os avós, está tendo um sofrimento significativo e prejuízos importantes nas relações sociais, influenciando no rendimento escolar e na dinâmica familiar. Disse até que queria que eu fosse pro céu pra morar com meus pais, em Bangu".

Em seguida, relata o terror da criança com a presença de Jairinho. "(Henry) diz que está com sono, que quer dormir e não olha para ele. Nunca dormiu sozinho, mas antes ficava no quarto esperando irmos ao banheiro ou levar um lanche, agora se recusa a ficar sozinho, não tem apetite, está sempre prostrado, olhando para baixo, noites inquietas com muitos pesadelos e acordando o tempo inteiro. Chora o dia todo".

Os sintomas da criança são parecidos com os relatados pela filha de N.O.M, ex-amante de Jairinho. Em depoimento à polícia, a filha relatou que era agredida por Jairinho, e que queria ficar somente com a avó. As agressões ocorreram em diversos momentos e começaram quando a criança tinha três anos de idade. Ela lembra de ter sido quase afogada pelo namorado da mãe.

Na conversa, Monique não fala que Henry relatou que Jairinho o bateu, ou que, por isso, teve de ir ao hospital buscar atendimento médico para o joelho esquerdo da criança, que mancava ao andar. Fala que procurou uma psicóloga. Em depoimento, ela disse que o atendimento com a psicóloga foi para ajudar Henry no processo de transição de núcleo familiar, já que a separação com o genitor do menino era recente.

A prima, aconselha: "Acho que agora no início poderia ser ( consulta) duas vezes por semana. Neuro e psiquiatra, não. Infelizmente isso é comum".

Dezoito dias depois, a criança foi morta, com mais de 20 lesões, dentro do apartamento. Monique e Jairinho estão presos, suspeitos de assassinato de Henry Borel. Eles negam e insistem na versão de acidente doméstico.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Manaus - AM
Atualizado às 04h53 - Fonte: Climatempo
23°
Chuva fraca

Mín. 23° Máx. 28°

23° Sensação
7 km/h Vento
100% Umidade do ar
90% (20mm) Chance de chuva
Amanhã (10/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva
Terça (11/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.