Domingo, 25 de Outubro de 2020 11:59
(92) 99183-2565
Política Presidente

“Ajude com sugestões, não com críticas”, pede Bolsonaro ao mercado

Presidente conversou com apoiadores e disse que governadores e prefeitos, e não ele, devem ser cobrados por alta no desemprego

29/09/2020 15h05
121
Por: Fernanda Souza Fonte: Metrópoles
Reprodução
Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que “vender estatais” é uma “finalidade possível” para sanar os problemas econômicos e sociais enfrentados pelo Brasil. Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada nesta terça-feira (29/9), o chefe do Executivo disse que “estamos todos no mesmo barco” e sinalizou ao mercado.

“Pessoal do mercado também, dou um recado para vocês: se o Brasil for mal, todo mundo vai mal. Aquele ditado ‘Estamos no mesmo barco’ é o mais claro que existe no momento. O Brasil é um só, se começar a dar problema todos sofrem”, avisou o presidente.

E continuou, destacando que o “pessoal do mercado não vai ter também renda”. “Vocês vivem disso, de aplicação. E nós queremos, obviamente, estar de bem com todo mundo, mas eu peço, por favor, ajude com sugestões, não com críticas. Quando tiver que criticar alguém, não é o presidente: é quem destruiu emprego de mais de 20 milhões de pessoas, emprego ou renda”, acusou, referindo-se a prefeitos e governadores que adotaram medidas de isolamento social.

Bolsonaro disse que tem recebido sugestões de tirar dinheiro de precatórios e vender empresas estatais como forma de levantar dinheiro para enfrentar a crise.

“Vender estatal não é de uma hora para outra: vamos lá vender, mas quem quer comprar? É um processo enorme, você tem que ter um critério para isso. Não pode queimar estatais, tem que vender para uma finalidade”, comentou com apoiadores.

Durante a conversa, o chefe do Executivo repetiu um chavão militar que costuma usar quando precisa fazer uma escolha difícil. “Pior do que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Eu não vou ficar indeciso, o tempo está correndo”.

O presidente se referia ao fim do auxílio emergencial em janeiro de 2021, quando mais de 65 milhões deixarão de receber a ajuda do governo. “Precisamos de alternativa para aproximadamente 20 milhões de pessoas que não vão ter o que comer a partir de janeiro do ano que vem. Esse é o desafio que jogo para a população brasileira”, comentou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Manaus - AM
Atualizado às 12h53 - Fonte: Climatempo
29°
Nuvens esparsas

Mín. 24° Máx. 32°

33° Sensação
2 km/h Vento
75% Umidade do ar
67% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (26/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 33°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Terça (27/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 25° Máx. 32°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.