Apa Móveis/Pneu Forte - 728x90
Condomínio falso

Irmãs são presas por suspeita de venderem casas em condomínio falso

Trio ainda convenceu donos do terreno onde “seria” o imóvel a vendê-lo por R$ 10 milhões, mas só receberam R$ 500 mil e um cheque sem fundo

23/08/2019 14h03
Por: Fernanda Souza
Fonte: Acrítica
213
Reprodução
Reprodução

As irmãs Sheila Patrícia Queiroz Reis, 40, Mônica Regina Queiroz Reis, 36, e Gleice Cristina Queiroz Reis, 34, foram presas nessa quinta-feira (22) por suspeita de vender imóveis de um residencial fictício no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus. As fraudes giram em torno de R$ 2 milhões.

Segundo o delegado Demetrius Queiroz, adjunto da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), as irmãs convenceram uma família, que morava no Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, há mais de 20 anos a vender o terreno por R$ 10 milhões. Elas deram uma entrada de R$ 500 mil e o restante foi pago com um cheque sem fundo. Eles não receberam o dinheiro. As estelionatárias mandaram demolir a casa que havia no terreno e a família teve que ir morar alugado.

O trio então lançou um residencial fictício, chamado “Lótus Tarumã”, na Avenida Cetur. Cada casa, ainda na planta, era comercializada por R$ 400 mil.

Em entrevista na manhã dessa sexta-feira (23) na sede da Derfd, no bairro Alvorada, na Zona Centro-Oeste, o delegado Demetrius contou que a entrega do condomínio estava prevista para o fim de 2018, porém no local não há nenhuma obra e nem as autorizações ambientais foram concedidas para iniciá-la.

Na terça-feira (20) foi expedido mandado de prisão em nome das irmãs. Gleice e Sheila foram presas na manhã de quinta-feira em um condomínio do Parque das Laranjeiras, bairro Flores, Zona Centro-Sul. Já Mônica foi presa em um condomínio no bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste.

As irmãs foram indiciadas por estelionato e, como já há mandado de prisão, vão ser encaminhadas para o Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPM), no quilômetro 8 da BR-174.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.