Apa Móveis/Pneu Forte - 728x90
Prisão

Mulher de João Branco é presa em Guarulhos tentando embarcar para Barcelona

A prisão foi confirmada pelo secretário estadual de Segurança, Louismar Bonates.

11/07/2019 08h06
Por: Portal Holofote
Fonte: Portal do Marcos Santos
4.525
Mulher do narcotraficante João Branco foi presa em Guarulhos com passagem para Barcelona. (Foto: Divulgação)
Mulher do narcotraficante João Branco foi presa em Guarulhos com passagem para Barcelona. (Foto: Divulgação)

Sheila Maria Faustino Peres, mulher do narcotraficante João Pinto Carioca, o João Branco, foi presta nesta quarta-feira (10), pela Polícia Federal, no posto de imigração do aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo.

A prisão foi confirmada pelo secretário estadual de Segurança, Louismar Bonates. Sheila é apontada como o elo e responsável por colocar em prática um suposto plano para desmantelar a cúpula da facção criminosa Família do Norte (FDN), que resultou na morte de 55 detentos em quatro penitenciárias do Amazonas, em maio deste ano.

Mulher do narcotraficante

As forças de segurança do Estado haviam colocado nos mecanismos de busca e procura da Interpol um mandado de prisão contra a mulher do narcotraficante. Segundo Bonates, a remoção da presa está sendo providenciada para Manaus. Ela foi apontada, a partir de várias mensagens interceptadas, salves de facções e de conversas, como uma das articuladores do racha entre João Branco e José Roberto Fernandes Barbosa, o Zé Roberto da Compensa. Ambos cumprem pena em presídios federais. A mulher de João Branco e o traficante “Coquinho”, apontando como líder do tráfico no bairro Santa Luzia, na Zona Sul, e homem de confiança de “JB”, são apontados como aliados do narcotraficante no golpe. Em vídeos divulgados após a rebelião, internos falam sobre  a mulher. Ela seria uma das mandantes das execuções.

Ordens do marido

Sheila seria responsável por levar as ordens do marido aos aliados. Há um tempo, o narcotraficante tem uma identidade própria dentro da facção, chamada de FDN Pura e Potência Máxima. Setores da inteligência do sistema de segurança já tinham informação da instabilidade nas unidades e não ocorreram mais mortes porque os presos estavam na tranca. O sistema prisional ainda está sob intervenção, incluindo Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM 1), Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e Unidade Prisional do Puraquequara (UPP). Todos os detentos mortos tinham indícios de asfixia.

Motivação

Vários salves de facções criminosas, da FDN e do Comando Vermelho (CV), divulgados desde o início das mortes, buscam atribuir responsabilidade e motivação à série de mortes nos presídios. Vídeos gravados de um homem identificado como Magdiel Barreto Valente, vulgo “Magnata”, mostram parte de um suposto complô armado por membros da própria FDN que teria resultado nas 55 mortes nas cadeias.

Guerra declarada

Fontes da segurança pública confirmam um racha na facção, uma guerra declarada pelo controle no topo do tráfico entre os fundadores da organização criminosa, José Fernandes Barbosa da Silva, o Zé Roberto da Compensa, ou Mano Z, e o narcotraficante João Pinto Carioca, o João Branco. Ambos estão em presídios federais. Nos vídeos, “Magnata”, que aparece amarrado e com marcas de tortura, conta as relações perigosas que teriam levado a mulher de João Branco, Sheila Faustino Peres, a iniciar os ataques que derem origem aos novos massacres. Sheila é a mulher que teria motivado a morde do delegado de Polícia Civil, Oscar Cardoso, no dia 9 de março de 2014. O narcotraficante foi acusado, na Justiça, de ser o mentor da execução do delegado.

Tribunal de rua

Ele foi denunciado pelo Ministério Público Estadual, que aponta que o crime foi motivado pelo torpe sentimento de vingança, visto que João Branco entendia que um grupo de policiais presos na operação “Tribunal de Rua”, comandado pelo delegado Cardoso, teria sequestrado, extorquido e estuprado Sheila Faustino Peres, em 2013. Citada como a terceira maior facção criminosa em estrutura no País, a FDN foi apontada também como fomentadora e executora das 56 mortes em 2017, em confronto com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Além do racha interno, a facção ainda teria no seu calcanhar o CV, que busca comandar o tráfico na cidade. A ordem para a matança teria partido de Sheila, com aliados, e colocaria João Branco contra Zé Roberto, em um novo capítulo bastante sangrento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.