Apa Móveis/Pneu Forte - 728x90
Bastidores do Poder

Greve dos professores: Wilson Lima não pode pagar por falhas de antecessores

A Justiça do Amazonas decretou que a greve é ilegal e estipulou para cada dia de paralisação uma multa de R$ 20 mil.

Bastidores do Poder

Bastidores do PoderÉ uma coluna do Portal Holofote que publica assuntos sobre Política, Justiça e Economia.

16/04/2019 21h39Atualizado há 6 meses
Por: Portal Holofote
Fonte: Portal Holofote
24.535
Divulgação
Divulgação

A greve dos professores da rede estadual de ensino do Amazonas é um problema a ser resolvido, da melhor maneira possível, pelo governador Wilson Lima, eleito no ano passado com uma grande diferença de votos em relação ao segundo colocado, numa clara demonstração de insatisfação por parte da população com quem governou o estado nos últimos 12 anos. Isso é fato. As reivindicações dos professores são legítimas, mas Wilson não pode ser o culpado por falhas que foram cometidas em administrações passadas. Também não pode ignorar o Poder Judiciário e acatar propostas de sindicatos que supostamente teriam ligações com gente interessada em tirar o jovem político do poder.

Ao conceder um reajuste de 3,93% aos professores, Wilson age com coragem e, acima de tudo, com responsabilidade, uma vez que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) não permite que o chefe do executivo faça algo além disso. A proposta dos sindicatos é de 15%.

Assim que assumiu o governo, Wilson pagou 9,38% da data base de 2016 e agora garantiu que vai pagar a data base de 3,93% de 2019, que é o acumulado da inflação dos últimos doze meses. Além disso, determinou a reforma de 218 escolas. Não é um feito, mas para quem assumiu o governo a pouco tempo é muita coisa.

Justiça não concorda com a greve

No último domingo, 14, o desembargador Elci Simoes de Oliveira, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), determinou que o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) suspendesse a greve sob pena de multa no valor de R$ 20 mil por dia em caso de descumprimento. A decisão atendeu um pedido da Procuradoria Geral do Estado (PGE). O SINTEAM afirmou que não foi notificado da decisão e desde ontem (15) está convocando o maior número possível de professores para irem às ruas.

Perseguição política

O processo n. 0602187-82.2018.6.04.0000, que tramita no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), pede a cassação do governador Wilson Lima. Ainda não se sabe qual crime ele teria cometido e se teria. A pergunta é: quem é o maior interessado em tirar Wilson do poder após, apenas, 4 meses de sua posse? Quem depositou um voto de confiança nele durante a campanha eleitoral não é, já que a sua popularidade, principalmente no interior, continua em alta.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.