Sexta, 13 de dezembro de 2018
(92) 99183-2565
Geral

03/04/2018 ás 22h25 - atualizada em 04/04/2018 ás 18h55

20.199

Portal Holofote

Manaus / AM

Mouhamad Moustafa tinha até crachá especial para entrar em shows em Manaus
Na noite desta terça-feira (03), o Portal Holofote teve acesso à uma foto onde Mouhamad aparece ao lado de uma famosa empresária de Manaus, muito conhecida no seguimento de eventos, exibindo um crachá que daria acesso ao Villa Mix Manaus.
Mouhamad Moustafa tinha até crachá especial para entrar em shows em Manaus
Reprodução/Facebook

O médico e empresário Mouhamad Moustafa, acusado de chefiar uma organização criminosa que desviou mais de R$ 100 milhões dos cofres públicos do Amazonas, era tão “paparicado” por alguns empresários de Manaus que tinha até crachá com acesso livre para entrar em eventos promovidos pela empresa Fábrica de Eventos.


Na noite desta terça-feira (03), o Portal Holofote teve acesso à uma foto onde Mouhamad aparece ao lado de uma famosa empresária de Manaus, muito conhecida no seguimento de eventos, exibindo um crachá que daria acesso ao Villa Mix Manaus.


Os milhões desviados da saúde pública do Amazonas, segundo a Operação Maus Caminhos, da Polícia Federal (PF), serviram até para bancar uma noite do médico com a modelo Renata Frisson, conhecida nacionalmente como a “Mulher Melão”.


O vídeo abaixo, obtido e publicado com exclusividade pelo Portal Holofote em setembro de 2016, mostra claramente o médico em um camarote ao lado de muitas mulheres, entre elas a Mulher Melão, durante o Villa Mix, evento de música sertaneja que aconteceu em março daquele ano no Sambódromo de Manaus e contou com shows de Simone e Simaria, Jorge e Mateus, Lucas Lucco e Wesley Safadão.



Coincidência ou não, a empresa responsável pela realização do Villa Mix em Manaus, em parceria com a Fábrica de Eventos, é a AudioMix, do empresário goiano Marcos Araújo, amigo pessoal de Mouhamed Mustafa. Durante a operação da Polícia Federal realizada no dia 20 de setembro de 2016, além das buscas em Manaus, os agentes da PF também fizeram busca na sede da AudioMix, em Goiânia-GO.


Em seu perfil na rede social Instagram, Marcos aparece em uma foto feita na casa de Mohamed, em Manaus, ao lado do cantor Jorge, da dupla sertaneja Jorge e Mateus. “Só moda boa aqui em Manaus na casa do meu parceiro Mohamed. #Jorge”, escreveu Marcos na publicação. A dupla é gerenciada pela AudioMix, assim como outros artistas famosos, como Wesley Safadão, Anita, entre outros.


Além de festas com mulheres, a Polícia Federal afirma que Mohamed lavou o dinheiro desviado do Fundo Estadual de Saúde comprando carros importados que juntos somam R$ 1,7 milhões, além de mansões, avião e até helicóptero.


De acordo com o MPF, o grupo possuía contratos de gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales, em Manaus; Maternidade Enfermeira Celina Villacrez Ruiz, em Tabatinga; e Centro de Reabilitação em Dependência Química (CRDQ) do Estado do Amazonas, em Rio Preto da Eva.


Com as prisões e a suspensão dos contratos, o MPF chamou a atenção para o fato de que as unidades “ficariam acéfalas, com risco de paralisação dos serviços de saúde prestados”. Para evitar prejuízos à população, o órgão pediu à Justiça que determinasse a intervenção do Estado para garantir a continuidade dos serviços prestados nessas unidades, com base no que diz a Constituição Federal e a Lei Estadual nº 3.900/13.


Vale lembrar que dias antes da PF deflagrar a operação “Maus Caminhos”, o então governador José Melo (PROS) decretou emergência na saúde do estado porque, segundo ele, naquele momento o Estado não possuía orçamento para honrar com a totalidade do pagamento a seus fornecedores e prestadores de serviços. "Fica decretado Estado de Emergência Econômica no Sistema Estadual de Saúde, ante atual cenário econômico, a fim de evitar iminente desassistência à população que impõe medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, de danos e agravos à saúde pública", citava um trecho do decreto nº 37.218, assinado pelo governador.


Atualmente, Moustafa está em liberdade e cumpre medidas cautelares enquanto aguarda decisão da Justiça Federal em processos oriundos da operação Maus Caminhos envolvendo formação de organização criminosa e corrupção.


A reportagem não conseguiu contato com Mouhamad Moustafa. Também não conseguimos falar com os responsáveis pelas empresas Fábrica de Eventos e AudioMix.



FONTE: Portal Holofote

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados