Quinta, 13 de dezembro de 2018
(92) 99183-2565
Economia

16/11/2018 ás 13h52

94

Jéssyca Lorena

Manaus / AM

Amazonas foi o estado com maior queda em volume do PIB em 2016, aponta IBGE
PIB amazonense caiu 6,8%, mesmo tendo crescido R$ 2,45 bilhões em valores monetários
Amazonas foi o estado com maior queda em volume do PIB em 2016, aponta IBGE
Antônio Lima/Arquivo

O Amazonas registrou a maior queda em volume do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 entre os estados brasileiros. A baixa foi de 6,8%, de acordo com a pesquisa de Contas Regionais divulgada, nesta sexta-feira (16), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Apesar da queda em volume, o PIB amazonense cresceu R$ 2,45 bilhões em relação a 2015, passando de R$ 86,57 bi para R$ 89,02 bi no ano retrasado. O PIB representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região durante um período determinado.


“A Indústria foi o setor que mais influenciou o resultado negativo em volume do PIB amazonense, já que apresentou queda de 10,7%. Indústrias de transformação apresentou variação em volume de -11,9%, em função de quedas na fabricação equipamentos de informática e produtos eletrônicos e na fabricação de motocicletas. Apesar da queda de produção na indústria de equipamentos de informática, segmento em que o Amazonas tem destaque nacional, houve aumento de preços nesse segmento”, explica o IBGE na pesquisa.


Em 2016, a economia brasileira encolheu 3,3%, resultado negativo que se disseminou em praticamente todas as unidades da federação. Apenas Roraima, com 0,2%, teve alta no PIB. O produto do País foi R$ 6,2 trilhões e o Amazonas representa 1,4% nesse montante.


Entre as causas para a queda em volume do PIB no Amazonas, o IBGE também destaca o efeito de redução de custos na indústria de refino de petróleo. A retração do preço de seu principal insumo, o petróleo, resultou em ganho em valor para Indústrias de transformação e aumento de participação desta atividade entre 2015 e 2016 no PIB amazonense, de 23,9% para 27,4%, apesar da queda em volume.


O setor de Serviços reduziu sua participação na economia do Amazonas em 2016, de 58,7% para 57,5%, em função do ganho relativo da Indústria. A área se manteve com a mesma participação de 2015 (20,0%), enquanto Comércio e reparação de veículos automóveis e motocicletas apresentou perda de 0,1 ponto (de 11,1% para 11,0%). O setor apresentou queda em volume de 10,3%.


O setor agropecuário apresentou variação em volume de -1,4%, e perda departicipação em valor na economia do Amazonas, de 8,0% para 7,7%, entre 2015 e 2016. O desempenho foi influenciado pela atividade de Produção florestal, pesca eaquicultura, cuja variação em volume foi de -10,7%, devido à redução da coleta do açaí, que tem peso destacado na economia do estado.


Agricultura, apoio à agricultura e a pós-colheita cresceu 5,6% em volume, amparada principalmente no cultivo da mandioca, um dos principais produtos desta atividade no Amazonas.


Transporte, armazenagem e correio caíram 0,5% em participação, passando de 4,2% para 3,7%, influenciado pelo transporte rodoviário e pelo aquaviário. 

FONTE: A Crítica

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados