Sexta, 16 de novembro de 2018
(92) 99183-2565
Cidades

16/10/2018 ás 17h18

438

Jéssyca Lorena

Manaus / AM

Bebê é morto por mãe e padrasto em Duque de Caxias
Segundo as investigações da 60ª DP (Campos Elíseos), a mãe do bebê e o companheiro decidiram matar o menino após descobrirem que ele era filho de um relacionamento extraconjugal dela
Bebê é morto por mãe e padrasto em Duque de Caxias
Divulgação

 Um crime que chocou até os policiais. A Polícia Civil pediu a prisão de um casal suspeito de matar o bebê de dois meses, filho da acusada, atear fogo no corpo e jogar em um rio enrolado numa sacola. O crime aconteceu na última sexta-feira no Pilar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo as investigações da 60ª DP (Campos Elíseos), a mãe do bebê e o companheiro decidiram matar o menino após descobrirem que ele era filho de um relacionamento extraconjugal dela.


O crime foi cometido no quintal da casa dos acusados e presenciado pela filha da mulher de 8 anos. No dia seguinte, a acusada ainda procurou a 60ª DP (Campos Elíseos) dizendo que haviam sequestrado o bebê quando ela o levava para o Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, Caxias. O casal vai responder por homicídio e ocultação de cadáver.


"O que mais me chocou foi a forma fria como ela agiu na delegacia. Durante todo o tempo ela, sentada e calma, negou o crime. E, mesmo depois de apresentarmos a versão do marido (segundo a polícia, ele confessou o crime), ela disse que encontrou a criança morta", contou o delegado.


A farsa foi descoberta pelos policiais da 60ª DP (Campos Elíseos) que desconfiaram da história porque a mulher só procurou a polícia no dia seguinte ao suposto sequestro. Ainda de acordo com as investigações, ela insistia em ter uma cópia do registro de ocorrência e não aparentava preocupação com o paradeiro da criança.


Suspeitando das declarações da mãe do bebê, na última segunda-feira, a polícia intimou o casal a depor. Segundo o delegado-titular da 60ª DP, Julio Filho, o acusado acabou confessando o crime. De acordo com Julio, ele disse que não matou a criança, e que ajudou atear fogo no corpo e a joga-lo no rio. Ele disse ainda que se negou a comprar um berço para a criança porque ela não era seu filho e por isso o bebê dormia em uma banheira. Já a mulher, negou a história e ainda tentou justificar a crueldade alegando que o companheiro tem problemas mentais quando disseram que ele havia revelado a verdadeira história.


Após o interrogatório, a polícia fez diligências na casa do casal e encontraram nos fundos da residência vestígios de material queimado apontado pelo acusado como local do crime e confirmado pela enteada dele, a filha da acusada de 8 anos. O Corpo de Bombeiros foi chamado e conseguiram encontrar no rio a sacola, que estava aberta e vazia.


A mãe da mulher e os filhos foram ouvidos. A filha contou que a mãe maltratava o pequeno de dois meses após descobrir que ele não era o filho do seu atual companheiro. A garota disse também que a mãe é agressiva com ela e os irmãos, que bate neles com vara e que os deixa em casa sozinhos e com fome. A menina contou ainda que o padrasto também batia no irmão e que a mãe saía e deixava o bebê sob os cuidados dela. 

FONTE: O Dia

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados