Segunda, 18 de novembro de 2018
(92) 99183-2565
Política

13/09/2018 ás 16h29

247

Jéssyca Lorena

Manaus / AM

TRE-AM suspende nova pesquisa de intenção de voto
Pelo menos outras três pesquisas tiveram a divulgação suspensa pela Justiça Eleitoral, nas últimas semanas, por não atenderem aos critérios legais
TRE-AM suspende nova pesquisa de intenção de voto
Reprodução

O juiz auxiliar Ricardo Augusto de Sales, do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), suspendeu a divulgação da pesquisa M P Valin Eireli (Projeta Pesquisa de Mercado e Opinião Pública), por irregularidades na metodologia e por estar em desacordo com a legislação eleitoral.


A decisão foi motivada pelo pedido de impugnação, de autoria da coligação ‘Amazonas com segurança’, que tem como candidato ao governo o senador Omar Aziz (PSD). Pelo menos outras três pesquisas tiveram a divulgação suspensa pela Justiça Eleitoral, nas últimas semanas, por não atenderem aos critérios legais.


Pela Resolução 23.549/2017, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em seu artigo 13, ficou estabelecido que é vedado, “no período de campanha eleitoral, a realização de enquetes relacionadas ao processo eleitoral”. Entende-se por enquete ou sondagem a pesquisa de opinião pública que não obedeça às disposições legais e às determinações previstas nesta resolução. A resolução também prevê que, se comprovada a realização e divulgação de enquete no período da campanha eleitoral, incidirá a multa.


Segundo o pedido feito pela coligação de Omar Aziz, o requerimento de registro da pesquisa identificada sob o n. AM-07667/2018, apresenta diversas irregularidades. Entre elas, estão a ausência, no plano amostral, quanto à indicação da fonte pública dos dados utilizados, tendo o representado utilizado como base a mera indicação genérica de fontes oficiais; e vício no questionário da pesquisa.


Tutela


“Pleiteia, assim, a concessão de tutela de urgência para suspender a divulgação da pesquisa e deferimento do acesso ao sistema interno de controle, verificação e fiscalização da coleta de dados da pesquisa impugnada, em obediência ao comando insculpido no art. 13 da Resolução TSE n. 23.549/2017”.


O juiz auxiliar afirmou em sua decisão que, em consulta ao site do TSE, constatou-se que a pesquisa estava em desacordo com a Resolução TSE nº 23.549/2017, em seu artigo 2, o qual recomenda que, a partir de 1º de janeiro do ano da eleição, as entidades e as empresas que realizarem pesquisas de opinião pública relativas às eleições ou aos candidatos, para conhecimento público, são obrigadas, para cada pesquisa, a registrar no tribunal eleitoral ao qual compete fazer o registro dos candidatos, até cinco dias antes da divulgação, diversas informações, o que não chegou a ser feito.


Ao deferir o pedido, ele frisou que “uma pesquisa deficiente, viciada e tendenciosa, denota verdadeira afronta à isonomia na competição eleitoral, por isso a importância do cumprimento das exigências impostas pela legislação, regras rígidas, dado o poder de influir na vontade do eleitor”.

FONTE: Amazonas1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados