Sexta, 14 de dezembro de 2018
(92) 99183-2565
Internacional

11/09/2018 ás 17h36

307

Jéssyca Lorena

Manaus / AM

Como serão os megaexercícios militares da Rússia, os maiores desde a Guerra Fria
O país mobilizou 300 mil militares; China e Mongólia também participarão das simulações
Como serão os megaexercícios militares da Rússia, os maiores desde a Guerra Fria
Divulgação

A Rússia deu início a seus maiores exercícios militares desde a Guerra Fria, mobilizando cerca de 300 mil militares no leste da Sibéria.


Batizado de Vostok-2018 (Vostok significa leste), eles contam com a participação da Mongólia e da China, que está enviando 3,2 mil militares, além de veículos e aeronaves.


Os últimos exercícios russos com escala similar foram em 1981, durante a Guerra Fria. Ainda assim, eles envolveram menos tropas do que Vostok-2018, que acontecerá de 11 a 17 de setembro.


Os exercícios acontecem em meio a uma tensão crescente entre a Rússia e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), aliança militar com 29 países membros liderada pelos Estados Unidos.


A relação entre as duas partes tem piorado desde que a Rússia anexou a Crimeia, que pertencia à Ucrânia, em 2014.


O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os treinos eram justificados, citando atitudes "grossas e agressivas" contra a Rússia.


Como serão os exercícios?


As operações começam na quinta-feira e vão durar cinco dias, segundo o general russo general Valery Gerasimov. Terça e quarta-feira serão dedicados ao planejamento e à preparação.


O ministro de defesa russo diz que 36 mil tanques, militares armados e veículos armados de infantaria, além de mais de mil aeronaves, integrarão o Vostok-2018. Até 80 embarcações navais, de duas frotas russas, também participarão.


Três brigadas de paraquedistas militares russos terão um papel-chave durante os exercícios perto da fronteira com a China e a Mongólia, segundo o canal do Ministério da Defesa, Zvezda.


O canal também diz que o objetivo principal do treinamento é praticar o rápido deslocamento das tropas, aeronaves e veículos do oeste da Rússia às regiões no leste, cruzando milhares de quilômetros. Esse tipo de esforço envolve, por exemplo, o abastecimento de aeronaves no ar.


A escala do Vostok-2018 é equivalente à das forças empregadas em uma grande batalha da Segunda Guerra Mundial. Uma versão menor desse exercício, com a Rússia e a Bielorrússia, se deu no ano passado.


Quais são as intenções da Rússia?


O presidente Vladimir Putin tem feito da modernização militar do país, incluindo a fabricação de novos mísseis nucleares, uma prioridade de seu governo.


Em uma declaração de apoio à política de investimentos na indústria bélica, o senador russo e oficial da reserva Frants Klintsevich declarou que "convinha para o Oeste que nossas unidades e quartéis não tivessem habilidades de combate e coordenação, mas os tempos mudaram; agora temos uma atitude diferente".


As forças armadas russas contariam com um milhão de pessoas no total.


Por que a China está envolvida?


Putin encontrou-se recentemente com o líder chinês Xi Jinping na cidade Vladivostok, no leste do país, e disse que eles têm "um relacionamento de confiança na esfera de política, segurança e defesa".


O Ministério de Defesa da China citou como a cooperação militar entre os países se aprofundou, melhorando a habilidade dos dois de responder juntos a "várias ameaças de segurança", sem especificar quais.


Em anos recentes, Rússia e China vêm aprofundando a cooperação militar. Durante os exercícios, inclusive, eles usarão o mesmo quartel-general - um contraste com os anos de Guerra Fria, quando a União Soviética e a China eram rivais, disputando a liderança global comunista e com confrontos em sua fronteira oriental.


A Mongólia não deu detalhes de seu envolvimento.


O ministro de Defesa russo Sergei Shoigu diz que o extremismo islâmico na Ásia Central é a maior ameaça à segurança da Rússia.


Nesse sentido, a China tem acentuado suas ações de repressão para conter o que considera "extremismo religioso" em Xinjiang, no extremo oeste do país, habitado pela minoria muçulmana uighur.


Há anos a região é foco de tensão. A China acusa os militantes islâmicos e separatistas de intensificarem o conflito. Na última semana, a ONU acusou o país de manter cerca de um milhão de muçulmanos uighur presos de forma ilegal na próvíncia.


O que a Otan pensa dos exercícios?


Segundo o porta-voz da Otan, Dylan White, a organização foi informada da operação Vostok-2018 e irá monitorá-la.


Ele disse que "todas as nações têm o direito de exercitar suas forças armadas, mas é essencial que isso seja feito de forma transparente e previsível".


"Vostok demonstra o foco da Rússia em treinar conflitos de larga escala. Isso se encaixa no padrão que temos visto há algum tempo: uma Rússia mais assertiva, aumentando significativamente seu orçamento de defesa e sua presença militar."


Por que há tensão entre a Rússia e a Otan?


A tensão entre a Rússia e a Otan tem aumentado desde que a Rússia interveio na Ucrânia em 2014, apoiando rebeldes separatistas russos.


A Otan respondeu aumentando a presença de suas forças no leste europeu, enviando 4 mil tropas para os países bálticos.


A reação foi considerada provocativa e injustificativa pela Rússia. Ela diz que a revolução ucraniana de 2013 e 2014 - uma resistência à ocupação russa na península da Crimeia - foi um golpe orquestrado pelo "Oeste", referindo-se aos países do Ocidente.


Em mais capítula da relação cada vez mais conturbada entre as duas partes, diplomatas russos foram expulsos de países membros da Otan depois que o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, Yulia, foram envenenados no sul da Inglaterra em março.


O Reino Unido culpou a inteligência militar russa pelo ataque. Moscou nega envolvimento.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados