Segunda, 20 de fevereiro de 201720/2/2017
(92) 98115-8357
Chuva
25º
26º
27º
Manaus - AM
dólar R$ 3,09
euro R$ 3,28
Pneu_Forte_Apa_Moveis
POLÍTICA
Único a votar contra cassação de Melo no TRE ganha cargo com salário de R$ 11,7 mil no governo
Portal Holofote Manaus - AM
Postada em 10/01/2017 ás 20h26
Único a votar contra cassação de Melo no TRE ganha  cargo com salário de R$ 11,7 mil no governo

Foto: Reprodução/Internet

O advogado e administrador Marcio Rys Meirelles, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE) e único a votar contra a cassação do governador José Melo (PROS), em janeiro do ano passado, foi nomeado, nesta semana, diretor-presidente do Fundo Previdenciário do Estado (Amazonprev), com remuneração de R$ 11,7 mil, para gerir um orçamento que, em 2016, foi autorizado em R$ 2,03 bilhões, com empenhos que somaram R$ 1,4 bilhão.

Meirelles já havia sido secretário de Justiça e Cidadania do Estado, no governo do hoje senador Omar Aziz (PSD-AM). O processo que cassou o mandato de Melo, por 5 votos a 1, por prática de conduta vedada na campanha eleitoral, como abuso do poder político e econômico,  aguarda julgamento de recursos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O juiz foi o sexto magistrado a votar e disse, à época, que encontrou provas de prática de conduta vedada na campanha do governador, como abuso do poder político e econômico, mas que não viu provas de que houve compra de votos. Segundo ele, a captação ilícita de voto não ficou configurada pela Polícia Federal (PF). Ele votou aplicação de multa e contra a cassação do mandato.

O governador e o vice, Henrique Oliveira, estavam matematicamente cassados desde o dia 16 de dezembro do ano anterior, quando foi iniciado o julgamento. O relator do processo, o também jurista Francisco Marques, votou cassação de Melo e Oliveira e foi seguido pela juíza federal Jaiza Fraxe, pelo desembargar e corregedor do TRE João Mauro Bessa, e pelos juízes Dídimo Santana e Henrique Veiga Lima. Dídimo disse, à época,  que respeitava o voto Meirelles, mas o criticou. “Criar empresa fantasma para desviar recurso público para ser usado na compra de votos me parece configurado situação de aguda gravidade”, afirmou.



De acordo com o TRE, a passagem de Meirelles pela Justiça eleitoral, ‘ficou marcada por inúmeras contribuições’.  Ele encerrou o mandato em 9 de junho do ano passado. Em sua última sessão, ele agradeceu e disse que se sentia honrado por ter contribuído para o engrandecimento dos debates. 

Na época do julgamento do processo contra Melo, Meirelles disse à imprensa de Manaus que o seu julgamento era ‘estritamente técnico’, com base nos autos, com coerência e imparcialidade. Em uma entrevista, ele disse: “Você não pode sentir sob qualquer argumento, qualquer influência ou pressão para poder se manifestar, você é um magistrado, tem independência e assim você tem que agir, observando estritamente a lei”.

O deputado estadual José Ricardo (PT), afirmou que o governador está beneficiando alguém que o ajudou. O parlamentar considera que esse tipo de beneficio é um dos grandes problemas do Estado.

“Você tem uma amigo na justiça que o beneficia e em contra partida ganha um cargo. É uma flagrante falta de ética, é uma imoralidade, um absurdo”, disse o deputado ao ressaltar que esse tipo de beneficio se estende a licitações. “Quem doou para campanha tem o contrato renovado ou ganha uma licitação. Isso é questionável”, completou. 


FONTE: D24am
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
2.336