Segunda, 20 de fevereiro de 201720/2/2017
(92) 98115-8357
Chuva
25º
26º
27º
Manaus - AM
dólar R$ 3,09
euro R$ 3,28
Pneu_Forte_Apa_Moveis
BRASIL
Secretário diz que corpos de presos em Roraima foram decapitados e atribui massacre a facção
Portal Holofote Manaus - AM
Postada em 06/01/2017 ás 10h10
Secretário diz que corpos de presos em Roraima foram decapitados e atribui massacre a facção

Foto: Reprodução/Internet

Pelo menos 33 pessoas morreram em um massacre nesta madrugada na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima – a maior do Estado.

De acordo com o secretário de Justiça e Cidadania, Uziel Castro, que está no local, não houve rebelião e a matança seria de responsabilidade de presos do Primeiro Comando da Capital (PCC) que estavam concentrados neste centro de detenção.

Segundo o secretário, não foram encontradas, até o momento, armas de fogo no local, mas os corpos estariam "destroçados" e diversos decapitados.

Ele ainda esclareceu que os presos das duas principais facções do país – o PCC e o Comando Vermelho (CV) – ficam em locais separados na região. Em outubro de 2016, uma briga entre as duas facções provocou a morte de 10 detentos na mesma penitenciária.

As mortes em Roraima acontecem poucos dias depois que uma rebelião, provocada pela guerra entre duas facções – o PCC e a Família do Norte, aliada ao CV, deixou 56 presos mortos em Manaus, no Amazonas.

A briga entre o PCC e o CV se intensificou no final do ano passado, quando foi quebrada uma trégua entre os dois grupos que agem dentro e fora das prisões do país. Em outubro, as mortes de ao menos 18 detentos em prisões de Roraima e também de Rondônia foram consideradas os primeiros efeitos desta reconfiguração do crime organizado.

Na época, a BBC Brasil conversou com a socióloga Camila Nunes Dias, professora da Universidade Federal do ABC (UFABC), em São Paulo, e autora de "PCC: Hegemonia nas prisões e monopólio da violência". Segundo ela, o fim da aliança – que pode ter ocorrido por uma disputa pelo controle de presídios – poderia gerar mais mortes em penitenciárias e acirrar as tensões também nas ruas.

Ontem, o presidente Michel Temer e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciaram um plano de segurança nacional a partir da nova crise nos presídios do país. Entre as medidas, está a construção de novos centros de detenção estaduais e federais.


FONTE: Portal G1
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
1.430